22/01/2014

Os golpes de vista.

Em duas semanas fizeram o especial favor de raspar, primeiro, o pára-choques traseiro e agora o dianteiro. 
A raspadela no pára-choques traseiro deverá ter sido feita num estacionamento de uma superfície comercial e é bastante "ao de leve", de tal forma que deve ser possível disfarçar facilmente apenas com um polish, ficou apenas a falta de civismo (que infelizmente continua a ser) usual do condutor da outra viatura em não deixar um contacto ou esperar que chegasse ao carro para me dizer o que tinha feito.

A de hoje (ou ontem ao fim do dia) foi um algo mais extensa, para além do pára-choques mascarrado de preto, a tinta ficou riscada (inclusivamente ficou tinta do outro carro) e a matrícula, em acrílico, ficou estalada (o que é óptimo para meter água e dar chatices na inspecção)... e, novamente, não foi ninguém!

Continuo sem conseguir perceber a necessidade de "fugir" por parte de quem comete estes erros. Errar é humano e admitir que se errou não é o fim do mundo, no entanto acho um acto cobarde cometer o erro e seguir como se nada fosse (no caso da última situação, o carro terá ficado bastante marcado visto ter apanhado os parafusos de fixação da matrícula).
O Corolla não é vermelho (a não ser que esteja daltónico) mas a este ritmo, estimo que, a avaliar pela insistência nos pára-choques, lá para o Verão devo ter o carro com metade do comprimento... o equivalente a ter um smart, mas nipónico, o que ao menos sempre evita as facturas de oficina!
Enviar um comentário