12/07/2014

A DN7 rumo a Marselha

Fruto das tecnologias (e do wi-fi gratuito de uma cadeia de comida rápida), fomos mantendo contacto com algumas pessoas mais próximas ao longo do passeio e, durante o dia anterior, sugeriram-nos que visitássemos Marselha pelo menos um dia (a emigração tem destas coisas... há amizades espalhas pelo mundo inteiro), seria apenas pouco mais de três horas de viagem e, pelo que me diziam, ainda por cima era sábado o que nos dava mais tempo para dar umas voltas e conhecer a urbe com os pontos de interesse devidamente assinalados pela amizade residente... íamos arrancar cedo e fazer por almoçar já em Marselha... se fosse assim simples não tinha piada.
O dia realmente começou cedo... a atrasar-se com as balneários do campismo (Côté Mer... odeio-te!) a abrir quase duas horas mais tarde, o pequeno-almoço foi outra questão que ficou por ser explicada no dia anterior quando chegámos... era necessário marcar, acreditem ou não, foi o primeiro sítio onde tal era necessário e era o campismo mais "cheio" (e caro) que tínhamos encontrado até aqui... arrumámos a tenda e, assim que os portões abriram, fomos os primeiros a sair, havia um supermercado perto e foi aí, no parque de estacionamento, que tomámos o pequeno-almoço.
Se o princípio do dia estava a ser ranhoso, uma coisa era certa, as perspectivas indicavam melhorias... e que melhorias! A estrada que iríamos tomar era a DN7 até Tourves onde entraríamos na D1 seguida da D560 e posteriormente na D96 passando por Aubagne onde a A50 nos levaria a Marselha... todas as outras podem ser esquecidas, mas a DN7... será justo dizer que o degrau no pneu traseiro adquirido nas autobahn desapareceu quase por completo... afinal o dia não estava a começar nada mal, é apenas mais um glorioso dia a andar de mota!
O percurso correu sem problemas, fruto do atraso inicial acabámos por almoçar antes de chegar a Marselha onde o desafio do dia foi encontrar a morada do casal, o que, não tendo sido fácil, não foi demasiado complicado, quente (afinal sempre era Verão), mas não complicado.
Lamentavelmente fotos de Marselha não há, apesar de, até a esta altura da viagem e a seguir a Amesterdão, ter sido Marselha a cidade onde mais andámos na rua. Fomos visitar Notre Dame du Mont Cours Julien e o porto com o seu barco restaurante desaparecido, soubemos das bicicletas que vão parar à costa da Argélia... copos serão fora e uma cama convencional ao fim da noite. 
Amanhã, vamos até à base dos Pirenéus!


Enviar um comentário