03/07/2014

O dia que era suposto chegar à Holanda, o quarto.

Isto de ter noites amenas e cerveja portuguesa tão longe de casa poderia ter dado azo a ficar com o fígado algo, digamos, cansado, mas não. A noite foi bem passada e o acordar foi fácil, enquanto aproveitava para arejar alguma da roupa molhada há dois dias, lamentava apenas não passar mais tempo por aqui para melhor poder apreciar Angoulême, mas a ideia sempre foi a de chegar à Holanda o mais cedo possível (tínhamos pensado em quatro dias, ou cinco chegando ao destino na sexta-feira).
Banho tomado, um valente pequeno-almoço bem aviado, acompanhado de um café digno, pagamento da estadia efectuado e lá tivemos que nos despedir dos conterrâneos para nos fazermos à estrada novamente rumo a Troyes. Até lá seriam mais ou menos 500km do ponto onde estávamos agora e ficaríamos a cerca de 200km da fronteira com a Bélgica, bom plano!
Chez Nuno, o responsável pelos churrascos
Achámos a N141 no mapa (e no terreno) que ruma a Limoges, virando para a D675 em direcção a Bellac onde entrámos na N145 que nos levava até à A20 onde rolámos até Châteauroux onde, por sua vez, apanhámos então a N151, parando em Saint-Florent-Sur-Cher, e passando em Bourges a fim de encontrar a D955 que nos levaria até Saint-Amand-en-Puisaye (com alguma confusão nas entradas e saídas da A77), para circular na D2 até encontrar D965 em Saint-Fargeau para nela, já em Auxerre, entrar na N77 que nos levaria até chegar a Troyes onde, literalmente, só faltou tropeçar no campismo.

Verdade seja dita que a segunda metade do percurso foi a mais interessante a nível de paisagem, era notória a diferença entre os edifícios vistos no dia anterior na zona sul de França e estes que víamos aqui, em particular as igrejas, mais baixas, mais "cinzentas" e com janelas menos abertas, os campos estavam a ser trabalhados ao fim do dia, eram inúmeras as ceifeiras/debulhadoras e os tractores que se viam... admito, no entanto, que estava preocupado com a hora de chegada ao campismo. A viagem estava a arrastar-se e dificilmente teríamos a mesma fortuna do dia anterior, não queria de forma alguma chegar "demasiado tarde" ao campismo e ter que procurar outro sítio onde passar a noite. Este facto levou-me a não prestar a merecida atenção ao cenário (que era sem dúvida belíssimo) e, eventualmente, acabei por ser flashado duas vezes (que me tenha apercebido) em câmaras de controlo de velocidade (uma à entrada de uma povoação quando ia a desacelerar e outra a meio quando devia de ir a uns 55km/h)... vamos lá ver o que se segue.
O Camping de Troyes estava cheio... quase cheio. Ainda havia lugar para nós os três e, antes que ficasse demasiado escuro (já passava bem das 21h) montámos a tenda e saímos para jantar... a pé! Só porque havia um restaurante do outro lado da rua que ainda estava a servir jantares para os atrasados do costume... ou seria porque estava a decorrer mais um jogo do mundial?
Enviar um comentário