20/07/2014

Substituição das pastilhas traseiras na Honda CBF 600

Mesmo se aquando da substituição do pneu traseiro na Motocenter me disseram que as pastilhas não iriam durar até ao final do passeio pela Europa (cerca de sete mil quilómetros), a ponto de levar as pastilhas a passear para as trocar a meio da viagem se fosse caso disso, o facto é que elas aguentaram o trabalho e, agora que está marcada nova revisão, é que achei que não havia necessidade de continuar com as pastilhas, que mesmo assim ainda fariam mais alguns quilómetros... mas para quê arriscar leva-las ao ferro?
O processo é simples, o único "segredo" está em recolher o êmbolo da bomba a fim de dar espaço para alojar as pastilhas novas, o que se pode revelar uma tarefa ligeiramente mais complicada de realizar do que num automóvel.
Adquiri umas pastilhas da EBC na Moto Solução em Loures, após aconselhamento com motociclistas mais experientes e depois de saber o preço assustador das Nissin de origem. Foi-me garantido que não perderia eficácia, era a minha única preocupação.
Eis o aspecto do sistema de travagem traseiro ainda antes de começar a mexer, para evitar cometer algum disparate recorri ao manual que está disponível para consulta e descarregamento aqui.
Depois de recolher parcialmente o êmbolo, como explicado no manual, há que desapertar o parafuso de fixação das pastilhas (toda a operação foi realizada apenas com as ferramentas disponíveis no estojo da CBF, mas será sempre aconselhável usar chaves de luneta em detrimento das chaves de bocas).
Aliviado o parafuso de fixação das pastilhas, há que desapertar o parafuso de fixação da bomba a fim de que esta possa ser levantada dando acesso às pastilhas.
Removido o parafuso de fixação da bomba, remove-se de seguida o de fixação das pastilhas (aproveitei, antes de remover o parafuso, para acabar de recolher o êmbolo da bomba).
Tudo desapertado e êmbolo recolhido, o passo seguinte é...
... rodar a bomba sobre o outro parafuso de fixação de maneira a dar acesso às pastilhas, removendo-as sem grandes dificuldades.
A diferença de espessura entre as velhas Nissin à esquerda (que aparentavam ser as originais) e as EBC.
Antes de passar ao processo de montagem, há ainda que remover as chapas-mola que encaixam na parte de fora das pastilhas e colocá-las nas novas.
Colocar as pastilhas novas em posição e voltar descer a bomba para a posição de fixação...
... acertar a posição das pastilhas, lubrificar e colocar o parafuso de fixação das mesmas, sem o apertar completamente.
Colocar e apertar o parafuso de fixação da bomba (segundo indicação do manual, deve ser apertado a 22Nm).
Apertar o parafuso de fixação das pastilhas (a 17Nm segundo o manual) e accionar o travão traseiro para que o êmbolo se ajuste à espessura actual das pastilhas (isto deve ser feito antes de circular, não imagino situação pior que tentar travar e o sistema ter que eliminar a folga... numa situação de emergência).
Pessoalmente não tinha qualquer tipo de material de limpeza, mas é aconselhável limpar o sistema com um spray adequado para limpeza de travões, verifiquem também as borrachas (guarda-pó) que protegem os parafusos de fixação da bomba, pois estes servem também de guia ao movimento da bomba, se estiverem em más condições e deixarem entrar sujidade, vão acabar por perder poder de travagem.
Tempo total dos trabalhos... 30 minutos se tanto, valor pago pelas pastilhas 21€, realizado aos 32797km, satisfação por fazer alguma coisa com as próprias mãos... não quantificável.
Enviar um comentário